h1

Albert Camus- CALÍGULA

22 março, 2005

CESÓNIA: Choras?

CALÍGULA: Sim, Cesónia.

CESÓNIA: Enfim, mudou alguma coisa? Se amavas Drusilla, também me amavas a mim e a muitas outras. Não havia razão para que a sua morte te fizesse correr três dias e três noites pelos campos e te trouxesse agora com esse ar hostil.

CALÍGULA, voltando-se: Quem fala de Drusilla, doida? Não podes imaginar que um homem chore por outra coisa, a não ser por amor?

CESÓNIA: Perdão, Caius. Procuro compreender.

CALÍGULA: Os homens choram porque as coisas não são como deviam ser. (Ela avança para ele.) Não me toques. (Ela recua.) Mas fica ao pé de mim.

CESÓNIA: Farei o que quiseres. (Senta-te.) Na minha idade, já se sabe que a vida não é boa. Mas se o mal está na Terra, para quê torná-la ainda pior?

CALÍGULA: Não podes compreender. Que importa? Talvez encontre uma saída. Mas sinto que estão a crescer em mim seres sem nome. Que farei contra eles? (volta-se para ela.) Oh! Cesónia, eu sabia que podíamos desesperar, mas ignorava o que essa palavra queria dizer. Acreditava, como toda a gente, que estar desesperado era uma doença da alma. Estava enganado, o corpo é que sofre. Doem-me, os membros, a pele, o peito. Tenho a cabeça vazia e o coração sobressaltado. Mas, o mais horrível é este gosto na boca. Não a sangue, nem a morte, nem a febre, e a tudo isso ao mesmo tempo. Basta que mexa a língua para que tudo se torne negro, para que os seres me repugnem. Como é duro, como é amargo a gente tornar-se um homem!

CESÓNIA: Precisamos de dormir, dormir muito. Deixarmo-nos levar, sem reflectir. Velarei pelo teu sono. O Mundo recuperará para ti o gosto, quando acordares. Faz com que o teu poder sirva, então, para melhor amares o que puder sê-lo ainda. O possível também merece ter a sua oportunidade.

CALÍGULA: Mas é preciso o sono, o abandono. E isso não é possível.

CESÓNIA: É o que pensamos quando o cansaço se torna insuportável. Mas acabamos sempre por recuperar o equilíbrio, por encontrar de novo a antiga mão firme.

CALÍGULA: Pois é, apenas não sabemos onde pousá-la. Que me interessa ter firmeza nas mãos, para que me serve esse poder tão espantoso, se não posso alterar a ordem das coisas, se não posso fazer com que o Sol se ponha a Oriente, e com que decresça o sofrimento, se não posso impedir os seres de morrerem? Não, Cesónia, não podendo agir sobre a ordem do mundo, é indiferente que durma ou continue acordado.

CESÓNIA: Mas isso é querer igualar-se aos deuses. Não há pior loucura.

CALÍGULA: Também tu me julgas louco. E, no entanto, o que é um deus, para que deseje igualar-me a ele? Está para além dos deuses o que hoje desejo, com todas as minhas forças. Tomo de assalto um reino, onde impera o impossível.

CESÓNIA: Não poderás obrigar o céu a não ser o céu, um rosto belo a ser feio, nunca tornarás insensível um coração humano.

CALÍGULA, com exaltação crescente: Quero misturar a Terra com o Céu, confundir a beleza com a fealdade, fazer explodir o riso, do sofrimento.

CESÓNIA, de pé, diante dele, suplicante: Há o bom e o mau, o que é grande e o que é baixo, o justo e o injusto. Juro-te que tudo o que possas fazer não alterará nada.

CALÍGULA, no mesmo estado de exaltação: Darei a este século o dom da igualdade. E, quando tudo estiver nivelado, o impossível, enfim, sobre a Terra, quando a Lua for minha, então talvez eu próprio mude e, comigo, o mundo inteiro se transforme, os homens deixem de morrer, e todos sejam felizes.

CESÓNIA, num grito: Nunca poderás negar o amor.

CALÍGULA, explodindo, raivosamente: O amor, Cesónia! (Agarra-a pelos ombros e sacode-a.) Aprendi que não é nada. O outro é que tem razão: o Tesouro público! Ouviste-o, não é verdade? Tudo começa por aí. Ah, é agora que vou começar a viver. Viver, Cesónia- o contrário de amar. Sou eu que to digo. E convido-te [para] uma festa sem par, a um processo geral, ao mais belo dos espectáculos. Mas é-me preciso gente, espectadores, culpados.
(Salta para o lado do gongo e começa a bater-lhe ininterruptamente, em golpes cada vez mais fortes. Golpeando sempre.)

CALÍGULA: Farei entrar os culpados. Preciso de culpados. E todos eles o são. (Sempre batendo.) Quero que façam entrar os condenados à morte. Público, quero o meu público! Juízes, testemunhas, acusados de antemão condenados! Ah!, Cesónia, mostrar-lhes-ei o que nunca viram, o único homem livre deste Império!
(Ao som do gongo, o Palácio vai-se a pouco e pouco enchendo de rumores, que aumentam e se aproximam. Vozes, tilintar de armas, passos. Calígula ri e continua a bater no gongo. Alguns guardas entram, depois saem. Batendo no gongo).

(Albert Camus- CALÍGULA)

Comentários:
———————————————————————
[Ma]
Concordo com o Trotta!

23/03/2005 17:48

[Patty]
Camus é foda. Na minha opinião seu melhor dialogo ainda está em “O Estrangeiro.”

23/03/2005 24:33

[Trotta]
Puta que la peida, eu imagino essa cena interpretada num teatro, que tesão!

22/03/2005 18:44

RESPOSTA:
Quando vc souber! Eu topo ir assistir… Deve ser muito bom mesmo!!!

Anúncios

One comment

  1. Olá Rodrigo,
    Estou com dificuldade para encontrar este texto…
    Se puder me ajudar…
    Muito Obrigado



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: