h1

NORMOSE

4 setembro, 2007

Lendo uma entrevista do professor Hermógenes, 86 anos, considerado o fundador da ioga no Brasil, ouvi uma palavra inventada por ele que me pareceu muito procedente: ele disse que o ser humano está sofrendo de normose, a doença de ser normal. Todo mundo quer se encaixar num padrão. Só que o padrão propagado não é exatamente fácil de alcançar. O sujeito ‘normal’ é magro, alegre, belo, sociável, e bem-sucedido. Quem não se ‘normaliza’ acaba adoecendo. A angústia de não ser o que os outros esperam de nós gera bulimias, depressões, síndromes do pânico e outras manifestações de não enquadramento. A pergunta a ser feita é: quem espera o que de nós? Quem são esses ditadores de comportamento a quem estamos outorgando tanto poder sobre nossas vidas?
Eles não existem. Nenhum João, Zé ou Ana bate à sua porta exigindo que você seja assim ou assado. Quem nos exige é uma coletividade abstrata que ganha ‘presença’ através de modelos de comportamento amplamente divulgados. Só que não existe lei que obrigue você a ser do mesmo jeito que todos, seja lá quem for todos. Melhor se preocupar em ser você mesmo.

A normose não é brincadeira. Ela estimula a inveja, a auto-depreciação e a ânsia de querer o que não se precisa. Você precisa de quantos pares de sapato? Comparecer em quantas festas por mês? Pesar quantos quilos até o verão chegar?

Não é necessário fazer curso de nada para aprender a se desapegar de exigências fictícias. Um pouco de auto-estima basta. Pense nas pessoas que você mais admira: não são as que seguem todas as regras bovinamente, e sim aquelas que desenvolveram personalidade própria e arcaram com os riscos de viver uma vida a seu modo. Criaram o seu ‘normal’ e jogaram fora a fórmula, não patentearam, não passaram adiante. O normal de cada um tem que ser original.

Não adianta querer tomar para si as ilusões e desejos dos outros.

É fraude. E uma vida fraudulenta faz sofrer demais.

Eu não sou filiada, seguidora, fiel, ou discípula de nenhuma religião ou crença, mas simpatizo cada vez mais com quem nos ajuda a remover obstáculos mentais e emocionais, e a viver de forma mais íntegra, simples e sincera.

Por isso divulgo o alerta: a normose está doutrinando erradamente muitos homens e mulheres que poderiam, se quisessem, ser bem mais autênticos e felizes.


Martha Medeiros ( 05.08.07-Jornal Zero Hora-P.Alegre-RS)

Texto recebido por E-Mail, mas dado ao conteúdo ser deveras interessante publico-o aqui.

Anúncios

5 comentários

  1. Nossa!! Muito bom esse texto!
    Totalmente atual, certeiro com o que se passa no mundo hoje…
    Todo mundo quer parecer de um jeito x, ter o carro y, ser popular nas festas e na escola… e tudo isso não está com nada! Essas pessoas são vazias, ocas… Deixaram de existir como seres pensantes há tempos!
    Belo recado!
    Obrigada por compartilhar tal sabedoria!
    😉

    Achei melhor publicar aqui do que só passar por email!
    Influencia do Trotts nisso claro! Mas legal tb!


  2. Eu sou doente terminal de normose! Deveras!
    E faltou “alto” na descrição do padrão normal! :S

    É verdade alto tb pode entrar facil!
    HEHEHEHE Mas apesar de sofrer deste mal!
    Vc é Diferente e original!!!


  3. Achei esse texto muito bom.
    Acredito que todo e qualquer ser humano sofre um pouco de normose. Os excessos preocupam sim, mas não sei se na dose certa é prejudicial.
    Autenticidade é fundamental, é claro. Mas, ter tal coisa, tal carro, ter tal jeito, com personalidade própria é melhor ainda. Eu admiro aquelas pessoas que conseguem ter o tal padrão X de comportamento, mas com um toque de autenticidade, saca?

    Gostei do texto!

    O texto é muito bom e atual!
    Eu sou mais afavor de uma desbalanceada pro lado do “Diferente”!!!
    As pessoas mostra as coisas mais interessantes assim! Risos!!!!


  4. Normose deve ser a doença do século! Pior é que esse padrão dito “normal” não tem nada de normal de verdade… tá doido!

    Sim para as duas afirmações viu Clau!
    Normose e obesidade! E as duas fundadas em dificuldades de ajuste pessoal!!!


  5. Ninguém está livre de ser influenciado por essa moda.
    Nem mesmo eu que adoro e venero tudo que é “Anormal” e/ou “Diferente”!

    Mas tento sempre fugir disso!
    Deste estigma e dessa atitude! 😀



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: