Archive for março \27\-03:00 2008

h1

SaMaro Work Place

27 março, 2008

Novo itinerário de moto faz necessário um novo MotoCast.
Ainda falando de Caixa e do novo local de trabalho.
Essas são as Imagens do Panamericano, logo na estrada do condomínio.

dsc00027.jpg

dsc00025.jpg

dsc00026.jpg

E um pequeno vídeo para mostrar a altura das Baias e o tamanho da sala.

Ouça então o novo episódio do MotoCast.
Dê suas Opiniões, faça seus comentários e no final poderá ouvir a um Bônus.

bug_bodas.gif

h1

Por que a Aliança deve ser usada no 4º dedo?

25 março, 2008
Existe uma bonita e convincente explicação dada pelos Monges Chineses.
O Dedão representa seus pais.
O segundo dedo ou o Indicador representa Seus Irmão e Irmãs.
O dedo do Meio representa o seu Eu.
O Quarto dedo ou o anular representa seu Marido ou Esposa.
E o quinto dedo ou o minguinho representa seus filhos.Primeiramente…
Abra suas mão viradas uma para a outra.
Coloque os dedos do meio encontrados de costas um para o outro.

Agora coloque os dedos restantes com as pontas dos dedos unidas.
Pronto, agora tente separar seus Dedões que representam seus pais.
Eles irão abrir por que seus pais não estão destinados a viver com você para sempre.
Eles vão te deixar cedo ou tarde.

Junte novamente os Dedões e tente separar agora os indicadores que representam seus irmãos e/ou Irmãs.
Eles também se abrem porque eles terão suas próprias familias.
Sem você.

Junte os indicadores.
E agora separe seus dedos minguinhos, que representam seus filhos.
Eles vão abrir também.
Porque crianças crescem, casam e criam suas próprias familias um dia.

Finalmente, junte os minguinhos e tente separar os anulares.
Que representam seu parceiro.

Você fica surpreso de ver que eles não podem ser separados.
Por que Marido e Esposa são destinados a viver juntos suas vidas inteiras.

Recebi por e-mail e não sei detalhes autorais e afins.
Se alguém souber por favor me passe!!!
h1

Melo do Congresso

24 março, 2008
Honestidade foi se embora
E a vergonha no Congresso já não mora
Esperança no Brasil, só piora
Porque sei que a falsidade lá vigora

O deputado já começa aproveitando
Mete a mão, vai desviando
E não para de roubar
E o dinheiro do hospital
Vai pra boiada,
Pra amante e o novo carro
Que o Juninho vai comprar

Moralidade foi se embora
E a maldade no Congresso é lá que mora
E é por isso que o nosso só se explora
Porque sei que a pilantragem lá vigora

O deputado fala errado
Ri à toa, se fingindo de inocente
E começa a enrolar
E o coitado que votou nessa pessoa
Lembra o voto, que vergonha
Quatro anos pra aturar

Seriedade, foi-se embora
O picareta virou dono, e nos devora
E o povo inteiro já percebe, a ilusão
De que a política em Brasília
É enganação

Daqui a pouco é eleição e lá vêm eles,
Com sorriso, abraço e beijo
Pro meu voto conquistar
E eu mando à merda, não sou burro nem palerma
Ninguém mais me passa a perna
Eu vou botar pra quebrar

Renovação vamos embora
Que a limpeza do Congresso, não demora
Não sou trouxa, to cansado
Vou à forra
Porque sei que a falsidade não vigora

Criação: Luciano Pires
Melodia: Felicidade, de Lupiscinio Rodrigues
Versão: Junior Poli, Labi Mendonça e Luciano Pires
Arranjos e interpretação: Sérgio Sá
Bonecos e manipulação: Cia Truks
Vídeo: Casa de Vídeo
h1

SaMaro vem aí…

20 março, 2008

Finalmente uma novela está para acabar!

Hoje os micros foram todos etiquetados e caixas foram enchidas para a tão esperada mudança para Santo Amaro.

Vou me explicar: Eu presto serviços de informática para a Caixa e, por motivos melhores entendidos por ela própria, houve o aluguel de alguns blocos comercias em Santo Amaro, no Panamérica.

Muitas áreas de desenvolvimento já estão lá…

E a minha área que é de testes ficou por último, por ter uma relação muito direta com a produção, que é a gestora do ambiente de Homologação.

Porém, por também razões melhores conhecidas para elas, as lideranças decidiram ignorar essa característica da nossa área e nos mandar para Santo Amaro também.

E essa mudança vem sendo adiada desde o início do mês.

Mas amanhã máquinas e caixa já vão para lá e nós começamos lá segunda-feira.

Algumas vantagens de lá são: menos quilômetros, maior conforto no ambiente de trabalho, nenhum túnel no caminho (isso influencia no MotoCast), possivelmente um tempo mais curto de percurso (isso também influência no MotoCast).

Alguns pontos negativos são: vou ter que pagar estacionamento (moto no mesmo valor de carro) e não tem restaurante por quilo barato por perto.

Esse não é o final da novela! Faltam os últimos capítulos. Afinal, agora a novela apenas muda de locação. Logo contarei novidades de lá!

h1

MotoCast Pergunta

17 março, 2008

Aproveitando o momento…

Venho através do MotoCast fazer uma pergunta…

Sim O MotoCast está caminhando e para tanto preciso da ajuda de todos para continuar melhorando.

Ousa, participe!

Ps: Este post participa da Blogagem Inédita.

h1

MotoCast Pergunta

17 março, 2008

Aproveitando o momento…

Venho através do MotoCast fazer uma pergunta…

Sim O MotoCast está caminhando e para tanto preciso da ajuda de todos para continuar melhorando.

Ouça, participe!

Ps: Este post participa da Blogagem Inédita.

h1

MotoCast com Chuva

14 março, 2008

Novo episódio do Motocast!

Com varias caneladas!
Mesmo com um roteiro mais direcionado e cortando coisas viajei na maionese em alguns momento!
Espero mesmo que consiga ir me controlando e melhorando isso!
E espero ter mais comentários e dicas de assuntos que gostariam de ouvir como comentário!

O metro que está em construção que passo perto é o Butanta….
O transito para é na Ponte da USP E não na Cidade Jardim.

E devo ter dado mais alguma canelada que não me lembro agora…
Então por favor me lembrem para poder retificar!!!

O Motocast foi na chuva, sobre Caixa e uma “breve” descrição do caminho que passo e o que vou vendo!

E aqui vai para ilustrar a imagem que falo no finalzinho..
.

dsc00023.jpg
h1

Falcão

12 março, 2008

falcao-mike1.jpg

Você está dizendo que vai perder?
Eu posso.
Eu não acredito nisso.
Toda aquela conversa cobre nunca desistir era tudo mentira. Você nunca acreditou nisso.
E o que você disse pra mim, se lembra? Agora é hora de fazer por você mesmo.
O mundo dá voltas. Se você quer, vá atrás.
Mike…
Você não estava falando sobre mim, você estava falando sobre você mesmo.
Mike, por favor…
Agora é a sua chance pai, não percebe?
Não me importo sobre o que aconteceu antes, então para de tentar provar-se pra mim.
Não importa se vai ganhar ou perder pai.
Eu não me preocupo com isso. Tudo com o que eu me preocupo é estar com você pai.
Eu amo você.
Eu amo você também Mike.
Vamos tentar, Ok?
É um cara grande.
Bem, você também.

falcao-mike5.jpg

Agora é hora de fazer por você mesmo, você consegue.
Estou dizendo, o mundo não de girar para ninguém. Você Entende?
Se você quer algo Mike, tem que ir atrás.

Enquanto perder como um vencedor, não importa. Porque você fez com dignidade.
E eu te digo se você não entrar lá, vai se lamentar. Vai se lamentar pela vida inteira, você sabe o que estou querendo dizer?
Vamos lá! Sei que você pode. Faz isso por mim?
Você só têm que acreditar!

falcao_campeao_campeoes.jpg
h1

Adaptação

9 março, 2008

Os livros são sempre adaptados para filmes, às vezes pelo sucesso, às vezes pelo tema abordado ou mesmo pela linguagem adotada.Antes de tudo vamos a algumas definições:

Um livro não tem limites, pode ter qualquer tamanho, visto que você tem todo o tempo que quiser para ler, qualquer linguagem e mesmo conteúdos mais adultos.

Um filme teoricamente poderia seguir os mesmos padrões, a não ser é claro a questão do tempo, mas para atingir mercado e uma lucratividade “X” alguns critérios são adotados na maioria das produções cinematográficas.

Muitas vezes a ordem dos fatores pode afetar nesse critério, se você viu o filme primeiro que o livro ou vice-versa. Mas na maioria das vezes isso não é importante afinal existem obras que são quase tão importantes para algumas pessoas como se fosse um livro sagrado.

Filmes como “Senhor dos Anéis” e “Harry Potter” são os campeões de críticas não só pela gama de fãs que conseguiram atingir, mas sim por insistirem em associar a imagem do filme ao livro, uma coisa que, por exemplo, o filme “Eu sou a Lenda” não tentou fazer.

Sugiro a todos assistirem ao filme “Eu sou a Lenda” e depois lerem o livro, mas com uma coisa na mente, são coisas diferentes. O filme é baseado e inspirado pelo livro, mas são obras distintas com personagens e elementos em comum.

Essa, na minha opinião, é a diferença: não vincular o filme com o livro dá liberdade de criação e ao mesmo tempo não frustra tanto os fãs do livro que esperavam ver no cinema seus “heróis”, seus “ídolos” representados.

Dando o exemplo outra vez em “Senhor dos Anéis” a principal reclamação é a falta de informações importantes, mesmo nas versões estendidas. Uma outra coisa que irrita os fãs é mudar características ou mesmo atitudes de personagens, por exemplo, o Personagem Faremir é o único 100% homem a conseguir resistir e liberar Frodo sem ceder ao poder do Um Anel, coisa que no filme não é retratada de maneira fiel.

Já em “Harry potter” o problema é realmente a coisa de ganhar dinheiro mesmo, tornar o filme comercial ao extremo, então muitos personagens são cortados e/ou suas falas reduzidas e/ou transferidas para um personagem de maior apelo ao público, como no caso da personagem Hermione que é a que acumula mais falas de outros personagens justamente pela simpatia do público.

A palavra não deveria ser essa; adaptações deveriam ser ajustes para que a obra pudesse simplesmente caber em outro formato, mas sem perder conteúdo ou mudar drasticamente características; para essas mudanças existe o baseado/inspirado onde você sai de uma idéia inicial e pode com todo o direito alterar e criar como foi feito em “Eu sou a Lenda”.

h1

Caixa Econômica Federal economiza R$ 232,9 milhões em licitação de fábrica de software

7 março, 2008

:: Luiz Queiroz
:: Convergência Digital :: 04/03/2008

A Caixa Econômica Federal conseguiu economizar nesta terça-feira, (04/03), R$ 232.978.210,00 em cinco dos oito lotes da licitação 001/2007, que visa contratar uma fábrica de software. Também quebrou uma hegemonia, até então, conferida para empresas de Brasília. A maioria dos lotes foi vencido por empresas de fora da capital federal.

Obviamente, as empresas brasilienses não estão satisfeitas com os resultados e já ameaçam tentar impugnar a licitação da CEF no Judiciário. No mercado, ao longo do dia, comentava-se que o consórcio formado pela B2Br (do Grupo TBA) e a indiana Tata, iriam recorrer da pontuação técnica recebida que, praticamente, as inabilitou no processo.

A verdade é que ao longo de 2007, a CEF foi obrigada a conviver com todo tipo de troca de acusações entre os concorrentes desta licitação. No fim, rejeitou uma série de pedidos de impugnação. Mais: Numa manobra relâmpago apresentou nesta segunda-feira (03/03), a classificação técnica e, em seguida, nesta terça, abriu os envelopes com as propostas de preços dos cinco primeiros lotes, referentes ao desenvolvimento de novas soluções para o banco oficial.

A empresa DBA Tecnologia da Informação, com sede no Rio de Janeiro e no mercado desde 1988, levou três dos cinco lotes abertos nesta terça-feira pela CEF.

No item 1 (DESENVOLVIMENTO IDMS), a empresa ofereceu R$ 28.531.040,00 pelo serviço. O preço estimado em edital era de R$ 43.510.020,00. Impôs uma derrota para a Politec Informática – uma das maiores empresas de TI de Brasília – ao apresentar um preço R$ 10.556.080,00 inferior ao da concorrente brasiliense (R$ 39.087.120,00).

A empresa carioca ainda conseguiu vencer os itens 3 e 5 do edital da Caixa:

– Item 3 (DESENVOLVIMENTO PLATAFORMA BAIXA E INTERMEDIÁRIA): Preço estimado em edital: R$ 141.120.000,00. A DBA Tecnologia ofereceu um preço de R$ 59.913.600,00. Mais uma vez desbancou a Politec, que ofereceu R$ 71.757.600,00. Uma diferença de R$ 11.844.000,00.

– Item 5 (DESENVOLVIMENTO WEB (INTERNET/INTRANET/EXTRANET): Preço estimado em edital: R$ 7.370.000,00. A DBA ofertou um total de R$ 5.231.050,00. Neste item desbancou o consórcio CI&T cujo preço apresentado foi de R$ 5.753.000,00. Uma diferença de R$ 521.950,00.

Surpresa

Criada em 1987, o Grupo Stefanini atua nos segmentos de Consultoria, Networking, Training, Gestão Empresarial (SGE), Quality Tools, com filiais na Argentina, México, Peru, Chile, além da Colômbia. O Grupo conta ainda com as subsidiárias Stefanini Internacional Corp (USA) e Stefanini Europe (S.L).

Nesta terça-feira, a empresa surpreendeu quando apresentou seu preço para o item mais caro da licitação da Caixa – o de número 2 (DESENVOLVIMENTO DB2) – cujo edital estimava em R$ 242.142.720,00. A empresa ofereceu um preço de R$ 127.697.920,00, batendo a concorrente DBA Tecnologia da Informação, que apresentou um lance de R$ 137.889.280,00. Uma diferença de R$ 10.191.360,00.

Por fim, restou à Politec, uma empresa brasiliense que poucas vezes sofreu uma derrota tão fragorosa, ficar com o lote de número 4 (DESENVOLVIMENTO MUMPES/CACHE), cujo valor estimado em edital era de R$ 16.464.000,00. A Politec ganhou com um preço de R$ 11.604.600,00. Ainda assim foi por pouco, pois a concorrente DBA chegou bem próximo de roubar mais este contrato, ao apresentar um valor de R$ 11.698.540,00. Significa uma diferença de apenas R$ 93.940,00.

Divergências

Os resultados desta licitação ainda devem render ações judiciais mesmo antes de a CEF abrir as propostas de preços dos Itens 6 (MÉTRICA); 7 (TESTES, QUALIDADE E AUDITORIA) e 8 (SUPORTE TÉCNICO AVANÇADO).

Durante esta terça-feira, sob o impacto dos cinco lotes iniciais, já se comentava que o consórcio Conexão, formado pelas empresas (B2BR- do Grupo TBA e a indiana Tata), estudavam entrar na justiça para impugnar a licitação. O consórcio perdeu muitos pontos na habilitação técnica. Assim como seus preços não contribuíram para melhorar a posição do consórcio diante dos concorrentes.

De toda forma, a Caixa Econômica Federal conseguiu outro fato histórico na gestão da Vice-presidente de TI, Clarice Copetti: Quebrou a hegemonia de grandes empresas de Brasília nos contratos do banco oficial. A executiva já enfrentou todo o processo de migração da rede lotérica que estava concentrada nas mãos da multinacional Gtech e, agora, tirou um dos maiores contratos “cativos” da Politec na capital federal.

Resta saber como os sindicatos reagirão doravante com a saída da Politec da Caixa Econômica Federal. Isso porque espera-se que a empresa pague milhões em indenizações para funcionários que perderão o emprego, diante da chegada da nova fábrica de software.

Se você leu até aqui pode e com razão estar se perguntando qual o motivo ou no que isso impacta na minha vida. E esta pergunta é fácilmente respondida.
Como prestador de serviços na CEF eu trabalho para uma empresa licitada. E apesar desse resultado não ser ainda da minha área (teste, qualidade e auditoria) mostra algo no mínimo preocupante para os prestadores.
Todos os itens já fechados atingiram um preço muito abaixo do previsto pela Caixa.
O que leva a pensar numa relação simples, quanto menos dinheiro eu tenho, menos eu tenho para repassar, pagar funcionários e assim por diante. Então no final das contas podem haver ou vários cortes e contratação de mão de obra mais barata ou achatamento de salários… E essa realidade têm uma grande chance de acontecer também na minha área…
É esperar para ver, no meu caso tenho alguma segurança (ou penso ter) por que realizo um serviço e conheço ferramentas especiais para a Caixa além de ter uma boa relação com pessoal dentro do cliente.